segunda-feira, 19 de janeiro de 2009

Segredo por segredo

A confissão, para quem não sabe, eu gosto das músicas dos Jonas Brothers, e falo mesmo sem timidez. Bom, talvez um pouco, dependendo da ocasião, não pega muito bem uma menina grandona como eu, com amigos cults que curtem MPB, gostar de uma banda da Disney com meninos bonitinhos. Mas é verdade, e eu gosto tanto deles como gosto de ouvir Rachmaninoff ou Gershwin (concordo, soa estranho).
Tá, mas não é sobre isso que eu quero falar. Em meio as dezenas de tópicos que abrem na comunidade do Orkut sobre eles, encontrei um com este artigo. Não sei quem é esse colunista, mas o "currículo" dele ali embaixo não me agradou ("costumava quebrar discos ruins no programa Superpop", hmm...) Mesmo assim eu li e concordei com vários tópicos.
Primeiro, ser fã tornou-se tudo isso que ele disse: é visto como um alienado, só pensa no astro, etc, etc. Sim, e eu concordo, o que você vê de fã agindo"estranho" por causa de um cantor/banda, não dá para contar (Madonna/ McFly/RBD que o digam, para ficar nos do ano passado). Mas tem aquilo que ele chamou de admiradores e isso parece que tem gente que não entende. O público QUER ser chamado de fã, não percebe a singela diferença entre uma palavra e outra. E isso que faz com que eu sinta vergonha ao comentar que gosto de músicas como as dos Jonas, já me imaginam vestindo uma camiseta com a cara deles e carregando um cartaz "Jonas, marry me!" Não é nada disso, e eu digo: ouço a música deles sim, e nem por isso vivo um amor platônico. Sinceramente, até que não haveria mal algum em ser chamado de "fã", desde que a imagem deles não estivesse ligada a um esteriótipo. Fã e admirador, no fundo, era para ser tudo igual.
Ah, uma coisa que não concordei, ficar horas em uma fila pode ser atitude de um admirador: em um mundo feito de filas como o nosso, até para curtir uma musiquinha ao vivo é preciso esperar.
Imagino que muitos dos que lerem esse post não gostam dos Jonas Brothers, então pensem naquela paixão que você tem escondidinha em casa, dentro da gaveta e mais ninguém sabe já que a vergonha de ser conhecido como um fã é muito grande. A mesma coisa colega :/
ps: créditos do título ao Machadinho ;)
ps2: Foto da única revista que eu comprei com eles na capa (por causa do tamanho, é grande oO)

2 comentários:

Elaine disse...

Todo mundo tem seu guilty pleasure. O meu são algumas músicas de boy band da década de 90, de quando eu era adolescente. Hoje em dia, quando ouço alguma delas, me bate um saudosismo e até ensaio uns passinhos de dança.

Cookie & Cake disse...

É, todo mundo tem seu segredinho e um pouco de vergonha dele. Acho que é algo natural :D