sexta-feira, 1 de maio de 2009

[Sem assunto]


Desde pequena, época em que eu saia pela escola puxando minha mochila de rodinhas, eu gosto de escrever. As aulas de redação eram uma alegria, eu inventava histórias mirabolantes com personagens que não faziam o menor sentido algumas vezes. O grande problema dos meus textos estava no começo: o título.

Aquela redação chamada "Minhas férias" ficava com esse nome mesmo porque eu não pensava em nada melhor. Depois de um tempo eu desisti dos títulos e não coloquei nome em mais nada (talvez meus dias tenham sido até mais felizes). Até o momento que eu cheguei nos vestibulares e os professores jogavam na cara que era impossível existir uma redação sem título, inadmissível.

Agora estou fazendo Jornalismo e os títulos são cada vez mais importantes já que, atualmente, o leitor escolhe o que vai ler pela manchete, se essa não é boa ele nem se dá ao trabalho de olhar o resto. Minha jogada de mestre foi colocar o título de uma matéria, sobre um teatro que foi destruído, trocando "O show deve continuar" por "O teatro deve continuar". Pegou, ahn, ahn?! (depois coloco a matéria aqui para vocês entenderem melhor).

Por isso que quando eu mostrei essa foto que eu tirei e meu amigo disse que o nome poderia ser "A solidão das pétalas", eu fiquei impressionada. Enquanto todo mundo falava "Ah, está bem tirada, focada, mas estranha né?!", ele surge com um nome incrível desses. Em minha mente, um tanto limitada para títulos, esse nome nem passaria por perto...

3 comentários:

Shoujofan disse...

Legal o "sem título" proposital. ^_^

Chica disse...

Lindo nome mesmo para essa foto! um beijo e tudo de bom,chica

Elaine disse...

Sei o que quer dizer, o título é sempre o meu calcanhar-de-aquiles. Costumo redigir primeiro a matéria e depois selecioná-lo.

P.S.: sobrevivi a um mês sem internet, mas estou de volta!