sábado, 13 de março de 2010

Ganhando mais um milhão

Como eu comentei sobre o livro Sua resposta vale um bilhão, achei que seria justo falar um pouco sobre o filme Quem quer ser um milionário. O longa é bem diferente da obra literária, mas não é ruim. O roteiro optou em mudar praticamente tudo e, em minha opinião, é melhor assim do que tentar fazer algo igual ao livro, falhar e não conseguir ser nem uma boa adaptação e nem um bom filme.
Quem quer ser um milionário conta a história de Jamal, um adolescente da periferia indiana, sem estudos e que está participando do programa de televisão que dá nome ao filme. Jamal cresceu junto com Salim e sua amada Latika, o motivo dele querer aparecer na televisão (isso está no trailer, não é spoiler). Salim sente a obrigação de cuidar e sustentar o irmão mais novo, e, para tal, usa dos mais diversos artíficios mesmo que sejam desonestos. Jamal, no entanto, entra em caminhos diferentes e é a partir das perguntas do programa que acabamos voltando no tempo e descobrindo os momentos mais marcantes da vida dos três jovens.
O filme mostra uma Índia de pobreza, sujeira e corrupção, mas, ao mesmo tempo, um país que está se modernizando e passando por grandes mudanças, ainda que tenha um pé na tradição (isso aparece um pouco na conversa que Jamal tem com Salim no alto de um prédio). Os "truques" de câmera são muito bons, um dos pontos mais positivos para o filme. Eles colocam os closes em lugares inusitados e passam do passado para o presente sem o público nem perceber, como se estivéssemos na cabeça de Jamal assistindo as lembranças.
No elenco, eu gostei dos três atores que fizeram o Salim, principalmente porque era um personagem pesado e que tinha que quebrar qualquer confiança que o público tivesse na personagem (para restaurar a fé mais tarde). Confesso que me surpreendi com o Dev Patel, que faz o protagonista. Ainda não acho que ele seja um ótimo ator, mas eu sempre o via com aquela mesma cara, sem graça, e no filme ele mantem essa mesma feição, porém dá para perceber que essa é a cara e a personalidade do Jamal. As meninas que interpretaram Latika também são uns amores, demonstrando a amargura sem perder a graça.
Uma coisa que eu achei meio estranha foi aquela dancinha nos créditos ao som de Jai Ho. Parecia que fizeram um filme indiano e perceberam que não tinha nenhuma dança, então colocaram no final algo bonitinho para parecer totalmente indiano. Se ainda fosse A coreografia, mas não era; ficou simpático, porém não foi tudo aquilo. A trilha sonora, sim, é interessante e ajuda a ressaltar o fato da Índia moderna, que eu já comentei.
Eu recomendo tanto o filme quanto o livro. São obras diferentes, com poucos pontos em comum, mas que, na realidade, tratam sobre o mesmo tema: a Índia em mudança junto com Ram Mohammad Thomas/ Jamal.
-------------------------------------------------

VERGONHA, passei mais de uma semana sem postar. Ainda estou voltando a me acostumar com a rotina (e já é quase Páscoa!), por isso demorei para escrever algo, desculpe. Aproveitem e percebam o meu atraso: o Oscar 2010 foi esses dias e eu estou falando do Oscar do ano passado...

8 comentários:

Kamilla Barcelos disse...

Eu adorei esse filme. Achei incrivel a ideia de mostrar como Jamal aprendeu cada resposta certa para o jogo. Desse modo contou a história dele e da Índia. Gostei da dancinha final. Parece que na Índia todos os filmes terminam assim, e as pessoas no cinema aproveitam para dançarem tb.
beijos

Letícia Monteiro (♪) disse...

esse filme é um dos meus favoritos *-*
amoo ele,demais >.<
estou à procura do livro,e com suas recomendações então...
acho que o filme tbm ajudou a tirar a idéia daquela "Índia da Globo" se é qe me entende...
Beeiijoos :***

Mayla disse...

Adorei este filme:)Queria ler o livro,me pareceu bem legal.
Adorei aqui.Já estou te seguindo!
bjos
mah

ligadona disse...

Eu ainda não vi o filme e não li o livro mas quero assistir ao filme...Concordo com vc em relação ao negócio de livro ser diferente do filme...São "mídias", digamos assim, completamente diferentes e às vezes é preciso fazer uma leitura diferente da obra literária...É isso que torna o filme interessante até mesmo pra quem leu o livro!
=1

Anna disse...

Tinha uma espectativa bem alta com esse filme, por causa do diretor, Danny Boyle, o mesmo de Trainspotting, e acho que por isso me decepcionei um tanto. Achei bacana, mas eu confesso que ainda tenho uma certa preguiça dele, e a dancinha no final contribuiu um pouco para isso, porque o filme acabou e eu fiquei meio "quah?".
beijos

Jana Barreto disse...

a India é um pais que tem muito a oferecer. e sobre esse negócio de adaptação, a maioria é duvidosa mesmo... já fico com a pulda atras da orelha (eu ia misturar os ditados. Ia dizer o pé atraás da orelha... orelha em pé + pulga atrás da orelha... ¬¬ mania doida, enfim... rs)
acho que tem mais chance de eu ver o livro do que ler o livro. :)
Bjuh!

Natália disse...

O que importa é falar, se foi ontem, hoje ou será amanhã não importa. Beijo

Bell Souza disse...

Ele livro está na minha lista: Filmes para assistir. Ainda não tive tempo, mas gostei bastante da idéia dele.