sexta-feira, 13 de agosto de 2010

O Apanhador no Campo de Centeio (J. D. Salinger)

Filmes "sessão da tarde" já contaram essa história muito bem e várias vezes: um jovem tem uns dias livres, longe dos olhares dos pais e dos professores, e essa é a chance dele fazer o que sempre quis. Se a trama parece conhecida, durante a década de 50 deve ter causado certa bagunça.
O Apanhador no Campo de Centeio foi escrito por J. D. Salinger, escritor de poucas obras e que morreu solitário neste ano. O livro conta a história de Holden Caulfield, um adolescente de 17 anos prestes a ser reprovado em quase todas as matérias e expulso do internato masculino onde mora. O rapaz decidi fugir durante um fim de semana antes de ter que encarar os pais com a notícia e, nesses poucos dias, vive da maneira que deseja, tomando conta de suas próprias atitudes.
A história não passa disso e as reflexões de Holden também não são excepcionais. O protagonista, na verdade, lembra muito o personagem de James Dean em Juventude Transviada: um rapaz normal e que está em mudança, mas vivendo em um mundo estagnado; eles não querem o mal, nem mesmo querem viver de maneira louca e abestalhada, os dois jovens só querem entender suas próprias mentes e, dessa forma, visualizar um futuro possível e que lhes agrade.
O livro causou burburinho por retratar a mente do jovem - uma figura que tinha poder nenhum de argumentação na sociedade - e pela a linguagem escolhida por Salinger que se aproxima do público através do uso de gírias e palavrões (vocabulário enquadrado para a época, ou seja, a linguagem é parecida com a de um filme do horário da tarde, nada que vá te assustar).
O Apanhador no Campo de Centeio é um livro voltado para os jovens ou qualquer um que esteja precisando daquela pausa para pensar na vida e no próximo passo a tomar; é uma fuga assim como foi na vida de Holden Caulfield.
Tem horas que fico chateado quando alguém vem dizer para me comportar como um rapaz da minha idade. Outras vezes, me comporto como se fosse bem mais velho - no duro - mas aí ninguém repara. Ninguém nunca repara em coisa nenhuma.

8 comentários:

Nathy disse...

Eu quero muito ler esse livro!!!!

Chica disse...

eSSE LIVRO É LEGAL MESMO!UM BEIJO, LINDO FDS,CHICA

Larissa L. disse...

Ah, eu adorei esse livro quando o li! Realmente as reflexões do personagem não são lá grandes coisas, mas acho que as nossas, feitas a partir dessa leitura é que valem a pena, né?!
Um beijo grande!

Janaina Barreto disse...

Essa semana eu vi um filme em que ele livro era o livro favorito do personagem. Confesso que sempre fico curiosa quando vejo livros em filmes, sempre quero ler.

Parece uma leitura gostoa e simples. Gosto de livroa assim. Mesmo que não tragam nada de espetacular. Uma leitura sem pretenções sempre é bom pra relaxar :)

Vou procurar no e-books da vida. rs
Beijo!

Nini C . disse...

Ninguém repara mesmo ;[
Adorei seu blog, já estou seguindo, beijos...

Deyse Batista disse...

ADORO dicas de livros e essa está super anotada. Lerei, com certeza :)
Beijos.

Clara disse...

Eu gosto de ver exemplos de jovens que fazem as coisas um pouco diferentes... Não sei se vc já assistiu Into The Wild (Na Natureza Selvagem), que trata mais ou menos do mesmo assunto. A fuga da sociedade é meu sonho romântico-infantil e me inspira muito ver estilos de vida e pensametos libertários. :)
Nunva vi -nem li- esse, mas com certeza vou lembrar desse post se ver na locadora :)

Tucha disse...

Nunca li este livro, apesar de ter ouvido mto falar sobre ele, acho que o sucesso se deveu mesmo ao que vc referiu, deu voz aos pensamentos de um jovem.